segunda-feira, 26 de julho de 2010

Gotinhas de chuva

As gotinhas de chuva na janela
que escorrem pelo vidro cristalino
são lembranças de um tempo de menino,
saudades da gostosa primavera.

Jogar à bola, ah que bom que era!
Cantar alegre como um passarinho,
brincar com os meus primos - ver um ninho -
correr, saltar, andar de bicicleta.

No vidro da janela sigo a chuva,
penso na minha avó... tão bom que era,
o gosto dos seus mimos e a doçura...

As férias bem passadas ao pé dela.
Continua a pingar a doce chuva
e eu não tiro os olhos da janela.

 A:CamilaSB 
2010 (imagem retirada da web)

29 comentários:

  1. Infelizmente não tive a oportunidade de enriquecer o meu ser com a sabedoria, os mimos das avós. Ouço falar dessa realidade, de quem recebeu esse "calor" humano.
    O seu poema é lindíssimo e revela a doçura de que fala.
    "Continua a pingar a doce chuva
    E eu não tiro os olhos da janela…"
    A saudade é raiozinho de sol nessas gotas de chuva doce, nas lembranças dessa infância.

    Gostei muito do seu poema.

    Beijinhos!

    ResponderEliminar
  2. lembranças da infância, tão bem escreves esse poema que fico com saudades dos meus anos na cadeira de balanço do meu avô. :)

    bjs!

    ResponderEliminar
  3. Camila, minha vizinha, que poema delicioso neste regresso à infância de afectos incondicionais...!
    Tocou-me!

    Beijo

    ResponderEliminar
  4. Poema terno com reminiscências doces da infância. É bom lê-lo, faz bem ao coração e à alma . Os teus versos são simples e bonitos. Cheios de pureza.

    ResponderEliminar
  5. Olá Camila, quão poético é seu blog. Parabéns menina.

    Bj

    ResponderEliminar
  6. Estimada e Perfeita Poetiza Amiga de Bem:
    Os versos são de uma ternura linda.
    Admiráveis e fabulosos.
    Tem uma sensibilidade de ouro.
    Parabéns. Adorei.
    É muito linda, sabia?
    Beijinhos amigos reconhecidos dos eu talento gigante.
    Sempre a respeitá-la e a admirá-la

    pena

    Excelente!
    Bem-Haja, fantástica poetiza de sonho.

    ResponderEliminar
  7. Que bom que era! Que bom poder recordar esses momentos. Um belo poema. Beijos.

    ResponderEliminar
  8. Cami

    um belo soneto, ritmado e a reviver a infancia.

    gostei.

    beij

    ResponderEliminar
  9. Geralmente a chuva nos trás saudade, marcas de um tempo que ficou.
    E a gota d´agua meche com o detalhe de nosso sentimento. É como se a chuva caísse e nos lembraria de alguém que sabemos que não vai voltar.
    Adorei seu soneto!

    ResponderEliminar
  10. As palavras sem afeto
    Nunca chegarão aos ouvidos de Deus.

    Shakespeare


    Amor & Paz no seu Domingo.
    Beijos do meu para o seu coração!!

    ResponderEliminar
  11. "O Sorriso é algo muito precioso para ficar oculto em seu rosto!"
    Uma boa semana
    BJS

    ResponderEliminar
  12. Lembrar é tudo de bom, paz.
    Beijo Lisette

    ResponderEliminar
  13. E que bom seria uma gotinhas de chuva

    nos dias que correm!

    Beijoca

    ResponderEliminar
  14. Lindo poema Camila com cheirinho de chuva quando bate na terra.
    abraços e desejos de boa semana pra voce

    ResponderEliminar
  15. Passei por aqui de novo: deves estar de férias. Bj

    ResponderEliminar
  16. ... foi a minha avó paterna que sempre me chamou de "um amor de rapaz". Nunca a esqueci por isso (foi a única pessoa que me chamou assim) e porque dávamos grandes passeios a pé para eu ir "aprendendo como era o mundo". Há muito que deixei de ser "um amor de rapaz". Por sinal, tornei-me um sujeito azedo e à beira dos oitenta o corpo só me puxa para a maldade. Então quando o Sporting perde, ninguém pode comigo. Foi o caso, na sexta-feira, mas compensado com a derrota do Benfica no domingo... Tem uma boa semana (deves estar de férias, por isso boa continuação) e sorrisos imensos.

    ResponderEliminar
  17. De cativante simplicidade e ternura este soneto, amiga! Parabéns!
    Beijinho grato pelas suas visitas e comentários

    ResponderEliminar
  18. "Continua a pingar a doce chuva
    E eu não tiro os olhos da janela…"

    As saudades não cessam e a esperança não morre nunca.
    É bom recordar mas melhor ainda é viver...
    E por mais que as lembranças nos toquem e nos façam sentir intocáveis,
    melhor ainda seria reviver aqueles momentos tão breves, tão efémeros,
    e no entanto, tão marcantes.
    Sortudo é o ursinho, que ainda assim tem algo que o faz sorrir, e simultaneamente, suspirar... à janela.
    Abraça-se fortemente, para não deixar escapar nenhuma lembrança :)
    Beijinho

    ResponderEliminar
  19. Estou comom a Piedade: isto são féruas XXXXXXXLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLLL
    -----------------------------
    Qd é que regressa?

    ResponderEliminar
  20. Gente adorei! Parece muito com os poemas do Oswald de Andrade, do livro "Primeiro Caderno de Poesia".
    parabéns!

    ResponderEliminar
  21. de 1º qualidade, blog muito atraente.

    http://danbrandao.blogspot.com

    ResponderEliminar
  22. Que os sinos do Natal sejam mensageiros de Boas Festas, e que o Ano Novo seja repleto de realizações. Feliz Natal e Próspero Ano Novo.

    ResponderEliminar
  23. Que pena que, por aqui, há muito que não caem "gotinhas de chuva"!...
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  24. Ao ler o teu poema,também eu fiqui cheia de saudades da infancia,brincadeiras,correrias ,tudo acontecia . obrigada por n«me fazeres voltar a esses tempos bj
    carla granja

    http://paixoeseencantos.blogs.sapo.pt/

    ResponderEliminar
  25. Sempre atual, as gotinhas.
    Este revisitar da infância é sempre agradável.
    beijo.

    ResponderEliminar